A Saúde bucal da Gestante

(Pré-natal Odontológico)

gallery/01
gallery/02

1 – É verdade que a cada gestação a mãe perde um dente?

MITO. A saúde bucal da mãe pode ser prejudicada pelas alterações nos hábitos de dieta e higiene, somados às alterações hormonais e fisiológicas características da gravidez. Sendo assim, a gestante está sujeita a desenvolver lesões de cárie, pelo aumento da frequência do consumo de alimentos, sem a devida higiene bucal. Além disso, pode desenvolver erosão química do esmalte dentário, dependendo do número de vezes por dia que ocorrerem enjoos e vômitos. Além disso, a falta de uso do fio dental ou seu uso inadequado, pode desencadear gengivite (inflamação da gengiva) ou periodontite (inflamação das estruturas de suporte do dente).

 

2 – É verdade que a gestante não pode receber atendimento odontológico?

MITO. Apesar das gestantes apresentarem um risco odontológico temporário, devido às alterações psicológicas e físicas, elas podem receber tratamento odontológico de forma segura. Salvo em casos de urgência, recomenda-se que as mães sejam atendidas no segundo trimestre de gestação.

 

3 – A saúde da mãe pode interferir na saúde do bebê?

VERDADE. Apesar de algumas complicações obstétricas ainda não terem uma associação clara com alterações na saúde do bebê, alguns estudos sugerem que gestantes com periodontite teriam maior risco de parto prematuro, baixo peso ao nascimento e crescimento intrauterino restrito. Além disso, complicações obstétricas ou deficiências nutricionais que ocorreram no período pré-natal e/ou perinatal, podem estar associadas à hipoplasias ou hipomineralizações (alterações na estrutura dentária).

1 – O dente de leite é importante? Quando e em que ordem eles nascem? Como aliviar os sintomas dessa fase?

Os dentes de leite são importantes para a mastigação, fala e aparência, e conservam o espaço nas arcadas dentárias, para os dentes permanentes.

O primeiro dente de leite nasce por volta dos 6 meses e geralmente é o incisivo central inferior.

Durante a fase de erupção os bebês podem ficar irritados, com aumento de salivação. Para aliviar o desconforto, podem ser usados mordedores ou massageadores levemente resfriados. Os comprimidos para aliviar a dor e os medicamentos anestésicos locais disponíveis para este fim, devem ser utilizados como último recurso e sob orientação de um Odontopediatra.

 

2 - Quando deverá ser a primeira consulta?

A primeira consulta deve acontecer quando o primeiro dente nasce ou até, no máximo, o primeiro aniversário da criança. Nesta consulta, o Odontopediatra irá reforçar as orientações realizadas durante o pré-natal odontológico e avaliar a dentição, hábitos bucais e práticas alimentares do bebê.

 

3 - Como ocorre a doença cárie? Os medicamentos e antibióticos deixam os dentes fracos, manchados ou provocam cárie? Como os pais e/ou responsáveis podem ajudar a preveni-la?

A cárie dentária é uma doença causada por múltiplos fatores. Sendo assim, em algumas circunstâncias, quando os bebês tomam mamadeira com leite ou líquido adocicado e são colocados no berço à noite para dormir, ou quando costumam usar chupetas adocicadas, as lesões de cárie poderão se manifestar.

Apesar da crença popular disseminar que os antibióticos são responsáveis pelo enfraquecimento dos dentes, sabe-se que algumas doenças que ocorrem durante a fase de desenvolvimento dos dentes podem enfraquecer sua estrutura e torná-los mais susceptíveis às lesões de cárie. Além disso, as medicações prescritas para essa faixa etária, geralmente são adocicadas e o seu uso frequente associado à higiene inadequada também pode ser responsável pelo desencadeamento dessas lesões.

Os pais e/ou responsáveis podem ajudar a prevenir a doença cárie instaurando uma dieta equilibrada, higiene bucal adequada e retornos periódicos com o Odontopediatra.

 

4 - Como ocorre a erosão dentária? Como minimizar os danos às estruturas dentárias?

A erosão dentária é um tipo de lesão que vem aumentando nos últimos tempos. Pode ser causada pela ação química do suco gástrico proveniente de regurgitações, assim como do consumo frequente de bebidas e frutas ácidas. O esmalte dos dentes de leite é menos espesso do que dos dentes permanentes, podendo justificar o desenvolvimento mais rápido dessas lesões.

O tratamento dependerá da definição da causa para que sejam instituídas as medidas preventivas e curativas.

 

5 - Qual a importância do aleitamento materno para o desenvolvimento das arcadas dentárias do bebê?

Segundo a Organização Mundial de Saúde, os bebês devem receber o aleitamento materno exclusivo até aos 6 meses de idade. A amamentação é importante para suprir as necessidades emocionais e fisiológicas, além disso, contribui para o bom desenvolvimento das arcadas dentárias e a maturação das funções bucais.

 

6 - Quando iniciar e como realizar a higiene bucal? Qual escova dental e pasta de dentes devem ser utilizadas? E o fio/fita dental, quando começar a usar?

Antes dos dentes nascerem, apenas uma vez ao dia, preferencialmente  à  noite,   os  pais  e/ou  responsáveis  podem incluir na rotina de higiene do bebê, a limpeza das arcadas. Com o objetivo de criar o hábito de higiene bucal, deve ser utilizada uma gaze limpa e umedecida em água filtrada ou dedeiras apropriadas (tecido ou silicone). Quando o primeiro dente nascer, deve-se utilizar escova dental de cabeça pequena, com cerdas macias e pasta de dentes com flúor (na concentração de 1100 a 1500 ppm), na quantidade aproximada a de um grão de arroz cru, duas vezes ao dia, sendo uma delas antes de dormir.

A partir do momento em que existirem dois dentes vizinhos, a utilização do fio/fita dental pode ser iniciada.

 

7 – Como e quando usar as chupetas e mamadeiras? Podem ser usadas até que idade para não prejudicar os dentes?

A sucção é um instinto básico dos bebês. Ao longo dos anos tem havido inúmeros debates sobre a utilidade da chupeta. Se isso ajuda a confortar seu bebê, então use a chupeta. Dê preferência às chupetas e mamadeiras com bico ortodôntico e de silicone.

Entretanto, o ideal é remover a chupeta até os 2 anos, se não for possível, até no máximo os 3 anos de idade, de modo a evitar problemas no formato das arcadas dentárias. Para bebês que não estão sendo amamentados no seio materno, as mamadeiras devem ser removidas por volta de um ano de idade e substituídas por copos de transição até o canudo e o copo convencional. 

 

8 – Como prevenir traumas dentários? Como podem afetar os dentes permanentes? O que fazer em caso ocorram?

A prevenção de traumas dentários inicia-se com os cuidados em casa e o olhar vigilante dos pais e/ou responsáveis. Além disso, na época onde começam a ensaiar os primeiros passinhos, a utilização de meias antiderrapantes pode ser uma opção para minimizar riscos.

Apesar de todos estes cuidados, muitas crianças, infelizmente, sofrem acidentes que podem danificar a boca e os dentes. Uma ampla gama de lesões pode ocorrer. As lesões mais graves podem causar danos aos dentes permanentes que ainda estão sendo formados. O grau da lesão não poderá ser observado até que o dente permanente nasça na boca.  Uma consulta com o Odontopediatra é sempre recomendada, para avaliar os danos (geralmente com Raios-X) e implementar medidas necessárias para limitar os problemas. No caso de fratura dentária ou perda total do dente, evite dar a chupeta ou mamadeira e, se possível, procure o fragmento ou o dente no local do acidente e armazene-o em um frasco com soro fisiológico ou leite. Para que seja avaliada a possibilidade de se fazer uma colagem ou reimplante, em casos mais graves, o ideal é que o Odontopediatra faça uma avaliação em até 2 horas após o trauma.  

 

9 – Por que, quando e como coletar células-tronco da polpa do dente de leite?

Na polpa do dente de leite são encontradas células-tronco capazes de se diferenciarem em outras células ou tecidos. A coleta dessas células a partir do dente de leite é uma fonte simples e de obtenção não-invasiva pois trata-se de dentição decídua que sofrerá substituição natural. Caso haja a decisão pela coleta, ela deve ser feita um pouco antes do dente cair, de modo que o Odontopediatra realize a extração adequada do elemento dentário, que deverá ser acondicionado em recipiente próprio para ser transportado.